O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

15.2.03  

EDUARDO GOMES, 181







Onde eu moro, só vive gente da pior estirpe. Gentinha mesmo. Com efeito; desde os meus inocentes dezessete anos consumo frequentemente maconha – não deve, inclusive, ser difícil imaginar que eu a tenha mesmo acabado de consumir, não é? Quem sabe? Contudo, note que vivo em um prédio – um prédio familiar.

Não é um edifício qualquer, de oito, dez andares, elevadores, e um outorgado intercâmbio de intimidades entre seus habitantes tão abrangente, que se configura vã a tentativa de um morador indentificar na sua, a intimidade dos vizinhos. Aquelas paredes fininhas, caixotes de papelão amontoados às alturas, em que um encaixotado se preocupa – ou não, não se procupa – ao assoar-se na madrugada, enquanto deseja Saúde! a outro, que espirra cinco andares acima.

Não, tão obscena convivência é ainda comoda se comparada à de um prédio pequeno. Nesses específicamente, é cobrado, além do condomínio, o decoro. Sabe como é, decoro de cidade de interior, todo mundo sabe de todo mundo, critica e, o pior, se mete nas vidas alheias. Vão generosamente oferecendo aos demais organismos de seu aconchegante microcosmo seus bons-costumes.

Então, perceba, as famílias que, em tais circunstâncias, dividem esse modestíssimo edifício com a minha humilde pessoa, conhecem e sentem-se prejudicadas com meu nefasto hábito. Comentam às escondidas e, – não seria paranóia de minha parte especular – tramam contra meu vício. Mas nada além disso! Elas nem chamam a polícia! Aí é que está!, gentinha, não porque abominem minha prática ofensiva ao bem comum e muito menos por covardia – afinal que grande mal eu poderia lhes causar em troca?; é que suas pequeníssimas revoltas para comigo não duram após um pouco de tevê no sofá, enquanto coçam refasteladamente suas bundas à exautão. Então eu continuo fumando. E, volta-e-meia, sopro tudo debaixo da porta deles. Viva o Ed. Santa Marcelina, Eduardo Gomes, 181.





posted by franciscoslade 11:05 PM