O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

18.3.03  

MAS SOU EU 4 – eu juro que que paro com esse assunto!





[Se cada um tem do outro uma imagem, que é o outro para si, esse ente, o que é? Não é realmente o outro, porque se ele foi concebido por quem vê, de um ponto de vista específico, não pode conter todos aqueles pontos de vista pelos quais aquele outro pode ser determinado, e necessária e principalmente, não pode conter a perspectiva através da qual o outro enxerga a si mesmo. Então, esse ente é ainda uma terceira criatura indefinida, viva em dois reflexos inassociaveis: como se mostra a quem a formaliza a partir de uma matriz, que é o outro, e como se mostra a esse outro, que é e se percebe enxergado pelo mundo e tenta por sua vez enxergar o que é seu eu que o mundo vê. Essa criatura semântica, sobrenatural e abstrata, guarda de nós, a mesma distância inexpugnável que nós temos uns dos outros. Carrego comigo, dentre meus muitos eus, aquele que é a minha idéia do que seja eu como você percebe; você leva consigo esse meu eu que você entende e cuja imagem eu suponho. Assim possuímos, além de um exército de eus — nossos ou derivados —, uma infinidade de estranhos, que são os outros idealizados por nós mesmos — tantos quantas são as pessoas que conhecemos ou até mesmo as que vemos de relance e das quais guardamos apenas impressões. Entretanto, se estes outros que vivem em mim são frutos do meu ponto de vista, eles não podem ser senão outros eus; droga!] Eu tenho um problema: tudo é Francisco, mas eu não.



Pode ser que, indo por aí, eu entenda o que é estar no mundo, de que é composto o Eu, o que é ser parte de um todo. Mas não posso entender o mundo. Porque não me entendo, porque assim não me reconheço nele, porque não sou "Francisco".







Deve ser por isso que não suporto meu aniversário. Ou o aniversário do Francisco, essa celebração dos outros de algo abstrato e que não sou eu, que pra mim é indefinido, e que para cada um é uma coisa própria.







[Tudo é possível. Só eu impossível.]



(Ele realmente era um gênio)





Era só pra fechar. Parei.



posted by franciscoslade 3:58 AM