O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

15.4.03  

DESMANCHOU



– Pai, falta muito ainda?



Iam dessa forma os dois, o pai puxando o menino pela rua.

– Tenha paciência, menino! Já é a milésima vez que você pergunta!



O homem ia, entre resoluto e resignado, andando a passos largos e olhando pra frente; a criança ia, quase suspensa pela mão do pai, misturando um pouco suas perninhas curtas e olhando pra tudo que passava à sua volta com a curiosidade e o espanto próprios da idade. Lá pelas tantas viu algo que, mais que o resto, chamou-lhe a atenção;

– Pai, olha ali um homem desmontando!

– Meu filho, Não Existe Gente Que Desmonta – com toda a paciência do mundo.

– Mas olha só…

Voltou-se, já sem tanta paciência, pronto pra dizer pro rebento que não se deve mentir, é feio inventar essas coisas e estamos com pressa, mas ao olhar pro lugar que a criança indicava, viu que o homem, efetivamente, caía aos pedaços.

– Meu [d]eus!

Agora estava o pai boquiaberto, assumindo o mesmo espanto pelo mundo com que o garoto viera até então, enquanto este comprazia-se, ria baixinho. Via-se de longe o deleite profundo em seu rosto. Ficaram os dois ali, assistindo aquilo. Subito, o filho se fez sério:

– Mas pai, quando eu crescer, vou desmontar também?

O pai, que no fundo não sabia, mas que achava que sabia e – justamente por isso – nunca desmontara, respondeu sério e taxativo:

– Claro que não! É filho meu! – e falava mais pra si que pro moleque.

– Mas como é que você sabe?

– Eu tenho certeza.

– O que é uma certeza?

– Olha, isso não vem ao caso, o que acontece é o seguite: eu estou te dizendo. Gente Que Desmonta Não Existe.

– Não existe gente que desmonta?

– Não. Dessa vez é diferente: Gente Que Desmonta Não Existe.

– E aquele moço ali?

– Pois é, não existe.

E continuaram lá, observando o penoso e pitoresco espetáculo. Até o fim.



posted by franciscoslade 12:49 PM