O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

30.4.03  

Então, esse post aí de baixo já foi publicado no mês passado, eu sei. Mas como eu gosto bastante dele resolvi repetí-lo agora que eu tenho um sitema de comentários... Puro narcisismo? Talvez... Mas é que eu sempre fico achando que quem chega não vê os posts antigos, então resolvi me certificar, e, quem sabe?, ganhar um comentário novinho. Desculpem me e obrigado pela paciência.







VAI GRAXA AÊ?





Foi uma dessas vans que vão pra Barra. O rapaz, na hora de sempre, ia voltando da faculdade, pensando na vida e olhando pro chão. Nessa ia também atravesando a rua e o sinal até estava fechado e tudo, mas a van, que queria passar no que do amarelo passasse ao vermelho e contava decerto com o mínimo de etiqueta carioca — pois há que se saber portar-se no Rio, um sinal vermelho só é vermelho depois de alguns segundos e, dependendo da hora, nunca —, continuou com tudo pra cima dele. O cara fez um movimento muito plástico e sei lá como foi parar atrás do veículo, os braços retorcidos e as pernas cruzadas, no centro de uma poça de si mesmo que se expandia e trazia pra fora dele tudo que devia continuar dentro, mas isso antes, porque agora tanto fazia. O pessoal da van saiu todo pra ir olhar o troço junto com quem já estava ali perdendo a hora de almoço, e, o motorista, esse vinha, sem ter visto ainda o quadro, pronto pra reclamar com o coitado que isso não se faz, você me atrasou, tenho mais 20 corridas e você tinha que no mínimo ter pulado fora do meu caminho. No entanto desistiu quando viu a almôndega com quem ia argumentar. Deve inclusive ter ficado muito sentido e triste, porque a primeira coisa que fez, e imediatamente, foi entrar na van e ir embora a cem, deixando todo mundo ali, os passageiros e a almôndega. Na certa foi chorar o morto ou buscar ajuda, pobre otimista, tão prestativo… Eu, do meu canto, na segurança da calçada, donde, na hora do acidente, esperava o sinal passar do vermelho pro realmente vermelho e donde não tinha saído, via vez por outra, nas ocasionais janelas que se abriam na gravidade da multidão concentrada ao redor do morto, coisas exquisitas. Acho que a cabeça tinha-se esfacelado, pois muito do que o tipo devia estar carregando nela no momento, encontrava-se espalhado pela pista. Os blocos mais imediatos ao corpo eram estruturados; um filme que ele tinha visto, a semana de provas estava chegando, que fome! e pagar o curso de inglês. Logo adiante, em pedaços menores, e em tom ligeiramente diferente — pois pra mim tudo na vida é questão de tom e intensidade —, a coisa mudava um pouco de figura: havia aquela menina pra qual ele ia ligar pra sair no fim de semana, desse sábado não passava, outro filme, esse ele ia fazer com o pessoal e já tava tudo planejado, tudo por ali, jogado. O cachorro, que há muito ele não levava pra passear e que estava esquecido, mas que do qual gostava muito e hoje sem falta eles iam sair juntos; a sua vó, que vivia sozinha longe a beça e pra quem estava sempre esquecendo de ligar, coitada, e ela fica tão contente quando ele liga; um pouco de vergonha de sua magreza exagerada e seus braços irremediavelmente finos, tenho que começar um esporte; um trecho daquela música, tão bonita, vai triturar teus sonhos tão mesquinhos/ vai reduzir as ilusões a pó, que era muito batida mas muito sincera e de que ele gostava tanto. O que estava mais distante — não dava mais pra entender direito — eram uns pedacinhos bem pequenos de sonho e alguma dor. Mas, eu acho, tanto uma coisa como outra, são da idade, não?



Resolvo ir embora dali. É muito do mundo de uma vez só pro meu gosto. Viro-me e vou andando, e nesse movimento, olhar meio penso, percebo no meu sapato um pouquinho de saudade, saudade que era de coisa nenhuma, de algo incerto, de vida não vivida e que lhe mastigava tanto o peito, tanto. Desvio o olhar e continuo indo, sem coragem de pegar uma folha seca do outono carioca e limpar aquilo; carregando comigo um troço que não é meu e que, agora, passa a pesar no meu peito também.







Tomara que eu encontre um engraxate pra limpar isso de mim, essa pontinha de sentimento que me grudou na pontinha do sapato.



posted by franciscoslade 9:52 PM