O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

18.4.03  

SALA DE NÃO-ESTAR 1



Eu tava com a cara afundada nos joelhos e nos braços cruzados. Olhos fechados, acho que de sono, e eles falavam em volta de mim. Foi só quando abri devagar os olhos que eles foram preguiçosamente aparecendo. Todo mundo lá; o cara que chorava em rodoviárias, o menino que fumava maconha em casa e o cavaleiro puído que tinha o flanco aberto à lâmina e se esvaía em sangue; o anjo canceroso e ingênuo, o homem que corria sempre e o bêbe pela metade no pote de picles; vi também o oráculo, o homem que caregava consigo uma caixinha com um botão e que parecia sempre tentado a apertá-lo e o outro que tomava muitos comprimidos; um sujeito que procurava ansioso um engraxate, dois rapazes que estavam sempre na dúvida se deviam continuar esperando; finalmente, um cara que esbarava em tudo, um homem e uma criança de mãos dadas e um homem desmontado largado no chão. E eu ali no meio deles, de todos esses arremedos de gente, esses esboços esquecidos. Eu fico imaginando se é só esse tipo de pessoa que vou encontrar no caminho, que vai me fazer companhia. Será melhor eu ir me acostumando? será que eu sou igual à eles? Pelo jeito que eles me olham... céus.


posted by franciscoslade 3:17 AM