O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

24.4.03  

SALA DE NÃO-ESTAR 3



Agora é o outro rapaz que se desencosta do Galaxie e vem falar comigo. Como eu vejo ele vindo, já vou-me ocupando de dar-lhe um rosto e um olhar próprios antes que chegue; os olhos são negros e o rosto um pouco redondo, o maxilar largo e bem desenhado. Ele tem a expressão mais tranqüila que seu amigo.

– Você quer também um nome? – pergunto assim que ele pára próximo a mim.

– Não, acho que não. O fato de não ter rosto também não me incomodava, mas obrigado mesmo assim.

– O que você quer?

– Não, na verdade eu vim pedir um favor pelo meu amigo: eu fico pensando se você podia dizer pra ele que ele tá fazendo tudo certo, sabe?, mesmo se não for verdade…

– Como assim? Simplesmente inventar?

– Talvez…

– Olha, o seu amigo é um cara muito difícil. Ele é bastante razoável, mas tem problemas pra se comunicar e isso complica as coisas… Não sei por que escrevi ele assim; acho que na verdade eu sou mesmo parecido com ele… Enfim, você é um cara mais tranqüilo, melhor pra conversar. Senta aí.

[senta-se no chão, ao meu lado]

– O que tentei dizer pra ele foi que eu não sei precisar o que vai acontecer com nenhum de vocês – da mesma maneira que eu não sei o que vai me acontecer –, e que eu não posso ser… leviano… e simplesmente mentir. Não posso porque não quero.

– Sim, mas você pode determinar. Você escreve o que quiser.

– Não é tão simples… se eu escrevesse o que quisesse, eu seria Joyce ou Machado de Assis… O fato é que vocês são estudos: pode ser que lhes aconteça qualquer coisa, inclusive que eu não tenha mais o que dizer ou testar através de vocês e não lhes retome nunca; pode ser que eu nunca mais escreva. Pode ser que eu lhes ache indesculpavelmente chatos, ou me ache – e nesse caso dá no memso –, acabe com tudo e vocês só terão existido na minha memória – não se enganem, ninguém aqui vai lembrar de vocês amanhã. Se eu escrevesse o que quisesse, não precisaria fazer experiências… deve ser fabuloso ter controle daquilo que se cria, e, sobretudo de como se cria…

Outra coisa é que esse tipo de conforto, de segurança, não existe; você acha que eu não queria que viesse alguém e me dissesse que vocês existem fora de mim, que vocês são boas idéias? No fundo é o que toda e cada pessoa no mundo quer, a segurança da existência de deus – engraçado que eu escrevo assim, com minúscula e o word imediatamente me diz que eu estou errado –, uma certeza ao menos, que seja firme e inabalável, pra saber que poderia valer a pena passar pela vida e pelo eu que por acaso nos coube; saber, alías, que não existe acaso, pois deus é antítese do acaso, que tudo tem um motivo de ser e uma explicação plausível, um desencadeamento perfeitamente lógico. Mas não tem, e quanto mais as pessoas se dão conta disso, mais desesperadas ficam, até morrerem, na dúvida absoluta. Imagina só, o que seria descobrir que não estamos irremediavelmente sós até o fim; seria como se nos afagassem os cabelos enquanto dormimos… A vida, mesmo a de vocês, não é assim. Eu não posso lhes oferecer isso.

– Não sei nem o que dizer… Você não acha que tem alguma responsabilidade por nós?

– Eu apenas escrevo vocês. Não quero essa responsabilidade. Eu não quero ser deus. Lamento. Aí é que tá: eu também sou um personagem, pra mim e pra vocês, uma imagem especular, e se eu não controlo vocês, como vocês vão me controlar? Se eu estiver confuso, como é que vocês vão me ajudar, me dizer que tá tudo bem? Entendeu a relação? Estamos todos no mesmo barco. Todos na frente do espelho tentando conversar sozinhos. Agora, só agora, eu entendi que sou igual a vocês. Por isso estou aqui, sujeito ao julgamento de vocês também. Fatalmente todos virão falar comigo, todos vocês; meu próprio purgatório.

– Eu tenho que pensar nisso tudo.

-– Você é muito paciente… sempre pensa nas asneiras que eu e seu amigo lhe falamos…

– É… Que coisa né?

[ele se levanta e vai começar a andar]

– A propósito, você já reparou que tem buraco no seu estômago? Tá dando pra ver do outro lado…



Começa a fazer frio. O troço cresceu mais desde a última vez que eu olhei.



posted by franciscoslade 3:43 PM