O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

4.4.03  

Sem entrar no mérito filosófico da questão – mas sei lá se é possível falar disso sem recorrer mesmo que ligeiramente a desgastados expedientes filosóficos –, faz já uns seis messes que eu acho que deixei de existir. Fantástico, não? Tenho tido a cada vez mais nítida impressão de simplesmente não-ser. Tem me parecido que as pessoas olham através de mim – porque com aquela cara, não pode ser que estejam olhando pra mim –, pra algo muito interessante que se passa alhures e que nem sequer perceber eu consigo. Faz parte da não existência, além de não ser enxergado, não poder ver também o que se passa com os que existêm solidamente e cheios de certeza no mundo; alguns espetáculos, e a atenção vítrea que se lhes deve prestar, destinam-se somente a certos olhos. Tenho experimentado também a sensação de que, as palavras que parecem ter-me sido dispensadas são, na verdade, construções aleatórias que se encaixam em qualquer situação e servem a qualquer propósito – e inclusive nenhum –, jogadas ao vento e ao acaso e não em resposta a qualquer coisa que eu digo – e aqui vem o terceiro aspecto dessa questão: será que eu digo alguma coisa mesmo ou são também as minhas palavras aglomerações espontâneas, sem sentido e sem porquê? De tanto ouvir nada comecei a dizer nada? Pior: sempre disse nada e só agora me dou conta? E, ainda que eu diga mesmo alguma baboseira que seja conscientemente construída e que tenha alguma lógica pelo menos pra mim, seja mesmo aquilo que eu imagino que estou dizendo, ainda assim, será que alguém ouve? Ou será a minha voz muito insignificante pra que as pessoas se dêem ao trabalho de tentar escutá-la quando eu mexo desesperadamente meus lábios feito um idiota?



Ah, deixa pra lá; por mais sincera que seja, essa história já é muito batida mesmo. Deve ser sono. Se por acaso, ao contrário de minhas palavras ditas, essas aqui puderem ser percebidas, se assim for, por favor leitor, desconsidere.



É, é só o sono. Que besteira!; todo mundo existe não é mesmo?



Tem que ser só o sono.


posted by franciscoslade 2:12 AM