O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

14.5.03  

NÃO ME CHAMEM DE PRECIPITADO



Como eu já disse antes, em dezembro, além do meu 25º ano de vida, terminei um livro; me disseram: existe nova literatura brasileira, existem novos romances. E ainda: você já ouviu falar em blogs? Novos autores estão surgindo daí... E lá fui eu pesquisar o troço. Há 3 meses resolvi criar esse blog. Conheci também muitos blogs; alguns muito bons – e que eu invejo um pouco – e uma grande maioria de porcarias. Hoje, acredito já ter uma opnião madura sobre o assunto e não me privo do direito de dizer, já que esse é o meu blog, que o blog da tal da Clarah Averbuck é mesmo MUITO ruim. Não foi falta de tentar. Eu até li o livro dela – quer dizer, o que eu aguentei; realmente não dá. É muito ruim e pronto. É isso aí, falei. Diabos, como pode? Não me serpreende o fato do Abujamra montar aquilo; a idade já o alcança, e, como sabemos, o homem só cria até certo ponto na vida; depois é mais do mesmo. Talvez ele tenha querido beber um pouco da juventude da menina... Escolheu mal. Contudo, como eu observei antes, isso já não me surpreende, pois que, há muito, o Abu não faz nada de bom. Depois tem o Murilo. Com esse aí a questão é outra. Já trabalhei com ele e sei do que falo... Qualquer dúvida, basta assistir seu último filme, "Seja o que Deus quiser", e tudo ficará claro... Só bilheteria interessa, daí jovens... Mas, se vocês virem... O que me surpreende de fato é que pessoas consumam aquilo lá! Aquela tristeza estereotipada, a crença em qualquer sorte de maldição que a assole – e só a ela –, cigarros apagados no braço, coturnos. Aquele esgar fixo no rosto e o olhar curto, curto. Pois é. "Sobreviventes"... é como esse tipo de gente gosta de se chamar. Irremediavelmente chatos. Pra mim, isso é um grande atestado de pobreza intelectual e espiritual... leêm as coisas e não entendem... usam as referências de forma tosca e grosseira... não conseguem relativizar nada em sua melancolia míope e rasa. É só isso que ela lhes dá, a sua tristeza?

Pra mim, temáticas a parte, a Clarah Averblog, digo, buck, é tão limitada estilisticamente, tão encerrada dentro de seu próprio estilo, quanto o senhor Paulo Coelho. Que construções pobres... Que metáforas esmaecidas... Lugar-comum a não mais poder.

Eu tentei, mas o troço não me desceu. Eu realmente preferia ficar me roendo de inveja e reconhecer que havia algo de realmente novo e realmente bom na literatura brasileira – ou no que diabos você quiser chamar aquilo –, algo forte, vigoroso, desesperado e belo. Um pouco de viço. Idéias de verdade. Mas é só mais do mesmo. Um diário de menininha louquinha do colegial, I hate myself and I want to die – aliás, outra coisa que não me desce são as milhares de citações e 'criações' em inglês. Pra que isso?

Enfim, paro por aqui pois não quero ser rabugento e esse blog não foi criado pra fazer crítica.



Clarinha, se, por algum motivo sombrio e improvável, você passar um dia por aqui, me escreve pra gente combinar uma forma de você me mandar um cd com sua versão de Backlash Blues... Deve ser incrível... Nina deve estar contentíssima.



Se alguém quiser me insultar, os comentários estão aí...


posted by franciscoslade 3:40 AM