O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

27.5.03  

POST SOBRE JANELAS



Todo dia, o campônio acordava cedinho, e, depois do curto ritual que sua higiene pessoal lhe requeria, vestia-se pra mais uma extenuante jornanda de labuta junto à terra. Era nessa, mais que em todas suas outras horas, que se manifestava de forma muito sólida sua hereditária prudência de homem do campo: era o momento de calçar as botas. Mas colocar as botas não se resumia a um ato tão simples; desde seu mais remoto antepassado, o camponês sabia, conhecimento sedimentado, que não se pode colocar as botas de qualquer jeito, sem mais nem menos – onde é que já se viu? Era assim, de maneira quase intuitiva, que antes de lhes enfiar os pés, ele batia as surradas botinas vigorosamente no assoalho e punha-se a examiná-las minusciosamente. E isso tudo por um claro e justificado motivo: o escorpião. O medo genético. Era um só esse seu escorpião, flagelo nos calçados do campo, não um, mas O Escorpião. Não era aracnídeo, não tinha forma definida – até porque ele nunca tinha visto a criatura – era só o nome de um receio, de um sentimento particular e de uma rotina diária.

Tal era a vida do sujeito, que acho que posso dizer que a única coisa que se apresentava como uma variável concreta no seu cotidiano era a possibilidade remota do bicho aparecer mesmo. Mas nunca aparecia; fosse porque ele tomava muitas precauções – das quais a revista matutina das botas era só o ápice e a confirmação -, fosse por fatores alheios a ele, a posição geográfica de seu casebre, o clima seco, fosse ainda tão somente sorte; o mais próximo que ele chegara desse capcioso animalzinho eram os causos dos amigos e os conselhos que perfaziam a história da família desde que uma das tais temíveis bestas deu cabo de um ta[...]tataravô seu, que [d]eus o tenha. Fora isso, nada; os humores do clima não eram surpresas pra ele. Nem o ciscar das das galinhas, nem o germinar das sementes. Ah, e não era casado – pois o comportamento da mulher poderia acrescentar-lhe ao dia um elemento bastante inconstante. Assim, percutir o precário piso da casa com as galochas era a única oportunidade que realmente tinha que jogar os dados.

Hoje o Escorpião apareceu. TUMP-TUMP as botas, e lá está de verdade. Mas o que fazer? Talvez devesse jogar alguma coisa sobre o troço – novamente: as botas –, talvez atear-lhe fogo. [Faz] Não? Correr... Mas o bicho é tão bonito e tão reluzente. Essa aparição sobrenatural é bem mais do que ele pode compreender. Não sabe o que fazer. [Nada.] Nem quando o Escorpião anda em direção ao seu pé descalço. Mais do que ele imaginou e certamente mais do que aquilo pra que ele estava preparado. Nem quando o monstro começou a subir-lhe a perna [Faz alguma coisa!]. Mais, muito mais. Estivera algum dia preparado? Lembra-se de que nunca pensou no que fazer quando o dia viesse. Nem quando o danado ergue a cauda. Faz alguma coisa!, faz alguma coisa! Grita! E nem mesmo quando o Escorpião crava-lhe o ferrão no pescoço [alguma coisa!, faz]. Nada.

Mas por quê?



posted by franciscoslade 4:27 AM