O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

4.5.03  

VAI SABER...



Quando eu tinha uns oito ou nove anos perguntei pra minha mãe por que eu tinha que ir pro colégio se eu ia morrer mesmo. Por que? Eu vi que ela ficou bastante sem graça e não soube reponder de imadiato. Depois improvisou qualquer coisa sobre ser importante aprender as coisas e bóbóbó, bóbóbó.

O que eu queria que ela me respondesse não era exatamente por que eu devia ir ao colégio, mas por que diabos eu tinha que levantar da cama todo dia, obedecer meus pais, amarrar meus cadarços direito. Faz já um tempinho que descobri: é pra não saber.



Responder essa pergunta de modo absolutamente objetivo é impossível; aliás, por outra: a única resposta absoluta é que não há razão, não vale a pena. Por isso, a melhor coisa que pode nos acontecer é justamente não ter resposta, não saber por que começar um dia novo todo dia. Caso contrário, a lógica esmagadora das coisas demostraria por a+b que levantar da cama não é um bom negócio. O que me parece importante na vida é juntar o máximo de tralha na nossa cabeça pra, quando tivermos que nos perguntar por que recomeçar com esse trabalho de Sísifo, podermos não ter resposta, e, assim, nos parecer uma boa idéia tentar descobrir.



Na maioria dos casos, ter certezas me parece uma grande furada.





posted by franciscoslade 3:26 AM