O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

1.6.03  

POST SOBRE PORTAS



O mar. É um troço bonito. Tanta gente já disse tanto sobre ele. Sempre achei que pessoas inteligentes são as que sabem falar coisas bonitas, coisas profundas, sobre o mar... Eu, como nunca consegui, cedo descobri que não sou inteligente; mas tá tudo bem. Eu não me importo. Se não tenho coisas inteligentes pra dizer sobre o mar, pelo menos vivo aqui, quase dentro dele, desde que nasci. Tudo que sei falar dele é que é azul, muito azul e muitos azuis; que é grande, muito maior que eu e maior ainda que minha imaginação; que lá no fim das coisas ele se encontra com o céu, um pouco como eu no fim da tarde; e que é bonito, muito bonito. Tem vezes que penso que eu sou o mar também, um pouquinho dele. Todo dia, cedinho, quando o vento vai deixando a ilha pra trás e a jangada cada vez mais vai me levando lá pra onde se pode esbarrar com o céu mas nunca se chega, é isso que eu penso. Quando meu casebre some, e a praia, e as lembranças das pessoas que moram lá do outro lado da ilha mas que às vezes aparecem do meu lado só pra me aporrinhar, a mim e ao mar, aí é que eu sinto que é tudo uma coisa só. De vez em quando eu imagino como seria bom se minha jangada fosse um barco mesmo, maior, sólido e com motor, pra me levar mais pra longe no mar, pra eu entendê-lo melhor. Aí fico achando que minha jangada é que nem minha inteligência, e gostaria mesmo que ela pudesse me levar mais adiante, mais pra dentro do azul - e quem sabe assim eu pudesse falar coisas mais bonitas sobre o mar... Então lembro que eu não gosto do barulho do motor e que, por isso, o que eu posso ter é mesmo a minha jangada, que afinal de contas, fui eu que construí e que sempre me levou onde eu precisei ir. Sempre trouxe meus peixes direitinho até a praia. Depois, tem um momento em que tudo se acalma. É quando eu chego ali onde sinto estar longe o suficiente e amarro as velas. Jogo a rede e espero e tudo só flutua. É só um tempinho, mas faz um silêncio incrível e o sol me pesa as palpebras e reluz seu amarelo no azul e por um momento eu sei que eu entendo aquilo tudo, que eu entendo o mar; o que eu não sei é explicar, dizer. Mas eu sinto. Tudo ali. Mesmo sabendo que não tô tão longe, que não vejo a ilha mas ela tá logo ali. Penso que, de repente, se um poeta me visse lá de longe, ele entenderia também e saberia o que eu estou sentindo e diria coisas belas sobre o mar. Talvez seja pra isso que eu sirvo, só pra navegar, pra estar lá, não pra ver. Parte da paisagem. Deixar pra outro explicar. E eu volto, com a rede cheia o quanto o mar decidir, mas que sempre tem sido o suficiente, inclusive pra me fazer parte dele. E, depois que eu chego, que faço o que tenho que fazer, quando vem o fim da tarde e eu tô sozinho e sento pra ver o mar, eu fico um pouco triste de ver tudo aquilo e não saber o que falar, como falar, mesmo estando tudo na minha frente, a mesma coisa que outros poderiam transformar em poesia. Fica alguma coisa presa em mim que não sabe sair. Mas então eu me acalmo e penso que o mar não é poesia, é só o mar, e eu sei o que é o mar, eu sou o mar também. Penso que um dia, quando o mar decidir, eu vou soltar a vela da jangada e sair pra pescar e não vou voltar. O poeta vai ficar enterrado n'algum cemitério pra todos lembrarem dele sempre, mas eu vou virar mar. Aí, outro poeta vai escrever sobre o mar e vai estar escrevendo sobre mim também, e talvez ele até consiga dizer o que eu não posso. Mas aí eu vou ser mar.

E não vou voltar.


posted by franciscoslade 12:51 PM