O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

11.7.03  

BICHANO



– Olha: ele matou o passarinho!

– Ih, é mesmo. Que sujeira.

Abaixo e começo a alisar o pelo preto e luzidio do animal; ele me mostra seus olhos amarelos e satisfeitos e aquelas nesgas de pupila, estreitas pela hora do dia. Do olhar à cauda, o bicho brilha inteiro de orgulho, pela presa, por minha aquiescência, e arqueia o dorso, ávido por receber mais cafuné. Ao seu redor, o passarinho é agora uma porção de bocados dispersos.

– Nhéuuu! – mia no meio daquele ronronar todo.

– Zecão, garoto…

– Por que cê tá fazendo isso?

– ?

– Carinho nele?

– Como assim?

– Ele matou o bichinho!

– E daí?

– Nem foi pra comer… Olha só…

– E o que cê quer que eu faça?

– Sei lá, bate nele.

– Eu não vou bater no meu gato. Ele não fez nada de errado.

– Porra, não?

Não. Ele é um gato. O livre arbítrio é uma fantasia criada pelo Homem. Ele não escolhe fazer isso; é sua natureza. Inclusive, pra ele, é um motivo de orgulho. Toda vez que caça alguma coisa, se ele tá feliz comigo, ele deixa aqui na porta. É um presente. E também mostra que ele tá feliz porque é um bom caçador e, dessa forma, um bom gato. Ele é feito pra isso. Ela não acha:

– Você tá é defendendo ele!

– Nada: no lugar dele, eu faria a mesma coisa. Quer dizer, qualquer um faria; como eu disse, ele não escolhe. Mas, se por acaso eu fosse um gato pensante, eu escolheria fazer isso. É pra isso que serve ser uma gato.

– Você diz isso só pra descordar de mim.

– Não. Eu acredito nisso. Na verdade, até pros humanos…

– Bem, a mim pouco importa; eu não gosto mais dele.

O bicho, alheio à celeuma, não sabe disso. Vai compartilhar sua felicidade também com ela, esfregando-se-lhe nas pernas. Ela tenta chutá-lo, mas o golpe o acerta apenas de esguelha. O gato é mais rápido que ela.

– Não faz isso!

– E tem mais; se você não fizer alguma coisa eu vou brigar contigo. Eu vou embora!

– Mas é o instinto dele…

– Conversa! Esse bicho é mau. Faz alguma coisa.

– Mas… se eu fizer, é como se eu tivesse censurando ele por ser um gato… – eu tento.

– Tô vendo que você não vai fazer nada. Então pode cancelar a noite de hoje. E quer saber?, e a viagem também!

– Por que você tá fazendo isso? – e agora sou eu quem pergunto.

– Não sei. Também não me interessa.

– Você tá me maltratando. Isso me faz sofrer… Cê sabe como essa noite é imporatante pra mim…

– Vou pra casa. Vou pensar. De repente é até melhor a gente dar um tempo.

– Mas eu te amo!

– Não sei. E nem se eu. Te amo, eu quero dizer. – seus olhos são tão negros como o pelo do gato. Só que brilham mais. E eu não sei dizer por que. O que é aquilo ali que os faz brilhar, que os faz cada vez mais incisivos e seguros enquanto penetram o meu olhar tão desprotegido. Não consigo evitar; logo estou chorando.

– Vou embora…

– Ele só faz isso por instinto… Ouve: é pelo mesmo motivo que eu não posso bater nele…

– Não se trata mais disso. Tchau!

– …e é pelo mesmo motivo que você faz isso comigo…

Mas ela já não ouve. Está longe. Cada vez mais.

– Miaauuu! – O gato não percebe o que aconteceu. Porque levou um chute.

Ficamos os dois ali, olhando a confusão que se tronou o passarinho. O engraçado é que o pardal em pedaços provavelmente entende o porquê de seu novo estado: tinha estado claro nos olhos do felino.

E eu entendo perfeitamente como o pardal se sente.







posted by franciscoslade 2:44 AM