O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

29.8.03  

LEIAM O POST ANTERIOR! - LEIAM O POST ANTERIOR! - LEIAM O POST ANTERIOR!



Sobre ele, comentou o



Tarcisio () @ 08/29/2003 09:11:

1. A inteligencia é um conceito subjetivo que só pode ser analisado através de uma situação concreta - Se você precisa ganhar uma partida de futebol, provavelmente a solução vai ser proposta por Romário e não por Einstein.

2. Conforme a crítica aos utilitaristas, de Bentham, o bem-estar da maioria esbarra em problemas morais e racionais. Nesse caso, a maioria nunca iria apoiar aos idiotas devido a uma questão racional (o bem-estar individual não pode estar nas mãos de alguém ignorante para assumir a função) e moral (para fazer a revolução, eu teria que me assumir ignorante). Ou seja, a revolução dos ignorantes é inconsciente (se aquele cara pode ser presidente, eu vou fazer qualquer merda no meu trabalho que tenho chances de virar presidente)



Ao que eu respondi:



Maldito Vegeta () @ 08/29/2003 10:41:

Mas não se trata de um 'apoio' formal aos idiotas, e sim de uma não compreensão do não-idiota. Hoje em dia – e como eu disse, talvez sempre – tudo é voltado pro idiota e tudo é idiotizador; ou não crescemos todos com a Rainha dos Baixinhos, precisamente a maior idiota do mundo, cuspindo asneiras em nossas manhãs? Mesmo eu, que nunca gostei da vaca, fui exposto ao seu malefício. Espero ter sido impermeável a ele. De qualquer forma, é preciso atentar pra diferença entre idiota e ignorante; apesar de tais atributos geralmente caminharem juntos, eles não são interdependentes. Afinal, muitos idiotas são catedráticos. Um exemplo de idiotia – algo – culta que me ocorre assim de repente é a Marília Gabriela; diabos, que pessoa idiota! Acho até que a cultura se torna uma arma perigosíssima em mãos idiotas; o idiota se sente ratificado pela sua cultura, que ele acumulou e não entendeu. Inteligência, meus caros 3,62 leitores, é sistema digestivo...



Na verdade, o que defendi foi que a revolução dos idiotas nunca aconteceu: essa sempre foi a norma.

Pra terminar, o que eu quis dizer no post anterior foi justamente aquilo que ele disse ao começar seu comentário: a inteligência é um valor subjetivo, tem que ser compreendido, enxergado; a força não, qualquer idiota – não é por acaso que existe essa expressão – entende. De que adianta ser inteligente em meio ao estouro duma manada de elefantes? Calma, senhor paquiderme!? Não funciona. De que adianta um enorme poder subjetivo frente à objetividade da idiotice?



[POR FAVOR...



... percebam que eu não tô diminuindo a importância da inteligência: pra mim, continua a ser o valor fundamental. Só que esse lance da espada e da pena, ah, tenha santa paciência!]







posted by franciscoslade 11:07 AM