O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

18.8.03  

MAIS UMA VEZ, SOBRE O POST ABAIXO



Engraçado. Deixaram lá no caixa um comentário curioso sobre o post aí das garças. E justamente quem eu menos esperava... Mas, na verdade, isso só vem provar justamente o que eu tentei ilustrar com o post, o já batido mas sempre pertinente ponto de que a realidade é uma construção subjetiva. Que o mundo não é senão ponto-de-vista e que o conceito de 'verdade absoluta' é uma quimera que não se aplica nem aos fatos ditos 'concretos', simplesmente porque 'concreto' não existe. A única coisa que foge a isso é a morte. Aliás, nem isso, porque, se o cara inventar de cismar que é imortal, a morte deixa de ser real pra ele - apesar de todo mundo saber que ele, assim como qualquer um, vai morrer. Então, quando eu vi lá nos comentários que o meu post tinha sido chamado de 'moralista', me espantei; pode chamar de tudo, de merda, de ridículo, analfabeto, mas moralista? Não cabe.

Talvez eu tenha me expressado mal; eu acho mesmo que sofro disso. Vai ver também, eu não sei escrever. Eu acho mesmo que sofro disso. Mas só o que tentei dizer não teve nenhum fundo social - logo eu, esse ser apolítico -, não defendi nenhuma das duas visões em detrimento da outra, não quis ser correto. A bem da verdade, se tivesse que defender algum das duas personagens, defenderia o narrador, cujo lirismo não deixaria que ele comesse uma garça mesmo que ele tivesse passando fome. E, aí, foda-se quem achar que é filosofia pequeno-burguesa, eu não comeria. Preferia roubar. Morrer. É com o narrador que eu me indentifico - como me indentifiquei com o Sérgio, que tinha uma visão parecida com a da personagem e que foi quem viveu e me contou o caso. Tudo o que quis mostrar é como uma coisa aparentemente concreta, de valor 'universal', como uma garça, pode ser uma coisa diversa aos olhos do outro; como dois homens que olham uma mesma coisa podem ver algo tão distinto. Como eu e a Lígia ao ler meu post.



Mas, de repente, ela tá certa.



É que - eu sei que é pueril - Descartes me encanta.


posted by franciscoslade 5:23 PM