O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

12.9.03  

ACHO QUE É UMA MERDA







Pra um estudante de cinema, até que eu falo bem pouco sobre o assunto. Quer dizer, aqui no seudinheiro. Na verdade, isso não me incomoda nem um pouco e, depois, vai que algum daqueles caras da Contracampo calha de aparecer aqui e me torra o saco – aliás, esses dias li uma discussão entre o contracampista Ruy Gardnier e o Fernando Meirelles engraçadíssima. Contudo, rodando por aí, descobri um troço no mínimo curioso: o novo filme Vincent Gallo. Não sou profundo conhecedor da filmografia dele como ator e sequer sabia que ele tava dirigindo. Há uns dois ou três festivais, fui ver o Trouble everyday da Claire Dennis (o site do filme é bem feio!); todo mundo que eu conheço achou um lixo; de repente é ruim mesmo, mas eu gostei muito. O filme é forte, sangrento, quase-mudo e, acima de tudo, estranho. Sem entrar em méritos conceituais ou discussões técnicas e teóricas, reduzindo o filme a impressão que ele me deixou, acho que poderia classificá-lo assim. (É claro que se alguém quiser discutir comigo pelo viés crítico, o e-mail tá aí ao lado – sou perfeitamente consciente dos méritos e deméritos formais do filme e plenamente capaz de justificar minha opinião sobre ele. Seria inclusive um prazer.) Um dos motivos que reafirmam esse estranhamento causado pelo "Desejo insaciável" – aqui se chamava assim – é a escolha do cast, os esquisitões Beatrice Dalle e Vincent Gallo. Talvez por ter gostado do filme, talvez por ter me indentificado com a sua personagem, comecei a simpatizar com a figura de Gallo. Hoje, descobri o site de Brown Bunny, seu mais recente filme. Não sei o que esperar do filme – e não sei se meu juízo é influenciado pela impressão prévia sobre seu autor –, mas o site é muito bonito. Todos os quadros mostrados são bem compostos e de bom gosto, a sinopse atraente – se bem explorada, poderia render um bom filme –, e a escolha da atriz, Chloe Sevigny, me agrada bastante. Além disso, Gallo faz quase tudo no filme – escreve, dirige, produz, atua, é diretor de fotografia e câmera e edita –, proposta que cada vez mais encanta – sou partidário do homem-câmera, do indivíduo-olho, do cinema-sujeito; foda-se a arte coletiva!, acho que o cinema devia ser que nem escrever, eu comigo mesmo. A reduzidíssima equipe me faz pensar que o filme talvez seja rodado em DV ou em película em esquema à la Romher. Outra coisa interessante, no retrospecto de Gallo como cineasta, é sua escolha dos autores de suas trilhas sonoras originais: ele assina duas e outras são do John Frusciante – músico do mundo pop, mas de trajetória bastante peculiar e que eu admiro bastante.



Mas isso tudo não quer dizer nada. Bons quadros, em última análise, são só boas fotos e, a 24 quadros por segundo, a relação narrativa e cronológica entre elas pode ser um péssimo filme. Apesar disso – e do que li por aí –, fiquei afinzão de ver.



Na verdade não importa: esse post é uma enorme perda de tempo, porque provavelmente essa merda nunca vai sair por aqui.



Em Cannes, a crítica disse que é uma merda:"the most hysterical event in Cannes history" e "so autistic, so painfully sincere that it goes off the so-bad-it's-good scale into something else entirely", diz o Guardian-UK.



Mas parece que os franceses gostaram.


posted by franciscoslade 7:01 PM