O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

9.9.03  

E ASSIM VAI...



Com o passar dos anos me tornei um sujeito apolítico. Não tanto ao ponto de assumir isso como uma posição política – como fez nosso amigo Beckett –, mas , de uma certa forma, chego a ter algum apreço por essa escolha; provavelmente aquele que me garante a minha preguiça – da qual também não sou um partidário como Rimbaud, mas apenas um sincero e arrependido acometido. (Acho mesmo estranho o fervor com que Rimbaud tomava defesa de sua preguiça: tanta eloqüência me parece trabalhosa). Mas enfim, apoliítico convertido. Certamente não me ouvirão por aí dizer que A sociedade tá robotizada e que Precisamos derrubar o capitalismo; não é nem que eu não pense nesse tipo de coisa – só não vou levantar bandeiras. Entretanto, outro dia, tava tentando postar e, ouvindo as preces que berrava ao megafone uma beata maluca das redondezas, me pareceu plausível o seguinte postulado:



catolicismo=capistalismo



Calma, calma! Não é uma relação tão profunda a que vou apontar e eu sei que, por diversas razões, o protestantismo deveria estar ali no lugar do catolicismo, contudo, vejam só:



Numa situação ideal, você come, mora e trabalha. Inicialmente, digamos que você tenha zero; vai-se o mês e você paga a comida que come e fica devendo o aluguel de onde você mora. No dia 30, você recebe seu salário pelo mês trabalhado, paga a aluguel pelo mês morado e salda a dívida que você contraiu com a boa alma que lhe emprestou dinheiro pra comer. Digamos, nessa equação mais do que simplista – e simplória –, que te sobre, de novo, zero: o ciclo se repete. Ainda que se introduza nesse sistema muitas outras variáveis e que os valores iguais a zero sejam substituidos por quaisquer outros, a lógica permanece; por mais dinheiro que você tenha 'de partida' ou que conserve no final de cada etapa, o motor roda alimentado pela matemática da dívida. Só de estar parado aí onde você tá, no mínimo, você já deve um dia de aluguel – ou sua mãe, sua vó – e isso pra ficar nos termos da equação; senão tem a eletricidade, a cadeira, a mesa, o computador...



Noutra situação ideal, você é um animal com necessidades fisiológicas claras e com funções instintivas bem previstas e delineadas. Aí, o outro homem vem pra você e diz que metade ou mais dessas funções que você, quer queira, quer não, vai desempenhar na vida, são erradas. E isso de acordo com um ser que ele inventou – ou que interpretou, mas isso é irrelevante pro raciocínio – e nem sequer é humano pra estar sujeito às mesmas necessidades e ser dependente das mesmas funções que você. Você diz Tá bem, e vai adiante, mesmo sabendo que vai fazer tudo aquilo que o cara te disse que era errado – e ele também. Novamente, não importa a simplicidade da equação, a lógica permanece: dívida.



Por mais redutiva e maniqueista que a redução seja, o mecanismo é mesmo esse – e é comum aos dois moto-contínuos.



Quando digo ser apolítico, isso se aplica também a religião: não me ouvirão por aí dizendo que deus não existe. Eu até acho isso e, se alguém quiser ter o trabalho de ir ver o post do dia 23.04.03 – de que eu inclusive gosto muito – poderá ter uma noção do porquê. Mas ser apolítico não é ser 'alógico': ainda que deus existisse, deveria haver uma forma mais inteligente de se relacionar com ele, não?



Esse post é só uma reação ao texto de uma oração ridícula que uma maluca gritava na rua e que me impedia de escrever o que me vinha à mente. Peguei a questão por apenas um viés, pobre e débil, e não vou desenvolvê-la em outras direções. Não quero. Não vou citar Nietzsche. Também não vou discutir o absurdo – mesmo que alegórico – da bíblia: vou só ser o mais simples possível e fazer uso só do bom senso:



A religião católica (bem como seus decendentes) é um dos troços mais absurdos de que já se teve notícia.



Conforme o Homem vai evoluindo, certas coisas deviam ser abolidas.


posted by franciscoslade 12:56 AM