O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

11.9.03  

RIDÍCULO



Por que é que conseguir as coisas que planejamos só nos deixa mais vazios? É que nem quando eu era criança; pensava: a vida é um troço muito chato, mas, se eu tiver aquele playmobil, tudo vai mudar. Como é que a vida pode ser tediosa se eu tiver aquele playmobil? Por que eu pararia de brincar com ele? E não conseguia imaginar o tal playmobil largado com os outros na estante – se ele tivesse lá em casa, seria impossível não brincar com algo tão legal. A partir daquele momento eu *precisava* daquilo pra viver. Daí pedia pra mãe, pro pai, vendia coisa na escola, esperava o natal – qualquer coisa, até conseguir o troço. Ôba! Consegui! Dai eu brincava, vá lá, um mês com a novidade. Depois, estante. Não, na verdade não; havia ainda um período estranho em que eu olhava pro brinquedo. Passava uma hora por dia, as vezes duas, observando interrogativamente o playmobil. O que eu procurava ali era saber como diabos aquele lance tão legal perdera a graça; como ele ia acabar indo pra estante se antes tinha tanto ali; como ele ficara igual aos outros; como? Mas o homúnculo de plástico não me guardava nenhuma resposta em seu sorriso fixo e satisfeito. A resposta nunca tá no objeto – e objeto, aqui, não se resume à definição material da palavra – mas no sujeito. Quer dizer, resposta não; talvez fosse melhor chamar motivo. Algo por aí. De qualquer forma, eu nunca encontrei. Estante.



Hoje o sistema se repete. E isso pra todo mundo, não? Ao conseguir algo que almejo, a impressão que tenho não é de ter ganhado que eu buscava, mas de perder a ilusão de que aquilo me traria algum alento, alguma satisfação; droga. Nem assim? Daí, sorriso de plástico. E estante.





MAIS, MAS NÃO FAÇAM CORRELAÇÃO – TALVEZ AGORA SEJA DIFERENTE



Então há uma editora interessada em publicar meu livro. Tudo que eu preciso agora são 3 parcelas de 1000 pratas. Quá-quá-quá. É quase engraçado. Que que eu faço?





posted by franciscoslade 12:14 PM