O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

23.10.03  

CURTA-METRAGEM 1



(Olha, em 9 meses de blog, é só a segunda vez que eu uso inglês... Nem 10 palavras ao todo... Quem me conhece sabe que detesto. Mas, dessa vez – provavelmente a primeira na minha vida –, fica melhor mesmo em inglês)





STEP INTO THE MONSTER



– Então, Gabu, cê vai ou não vai?



Gabu. Que diabos de apelido é esse? Não sei se é pior o apelido ou o nome. Porque Gabriel também é dose; porra mãe, nome de anjo? Quer troço mais babaca que anjo? Ridículo. Ridículo mesmo é pensar esse tipo de coisa ridícula agora – além do mais, agora. Tô com medo; sempre que eu tô com medo eu faço isso. Eu fujo. Das coisas. Do assunto. Eu sou um idiota. Resolve! Resolve!



– Pô, Vicente, sei lá...



Idiota. Isso lá é resposta?



– Colé Gabu, cê não vai? Não acredito, cara! E Vicente não, Perigoso: agora é Perigoso. Já te falei.



O pano era quadriculado e ficava parecendo um piquenique. O pano desenrolado em cima da mesa, me chamando; o metal me chamando. Bonito a beça. Um dia o Vicente falou um troço... que na verdade, era um milagre mecânico; "Não tem nada eletrônico: tudo é mecânico"; nunca tinha pensado nisso. Visto desse jeito. Mudou tudo. Mas, não dá. Vontade não é tudo. Não nesse caso. Uma arma me dá medo. Não sei se é dela, se é de ter que usar ela... se é de morrer... ou se é de mim com ela.



– Não, Vicente, que Perigoso é o caralho, eu não vô.

– Porra, vacilão! Vâmo lá...

– Dá não.



Daí ele parou um pouco e fez aquela cara e eu, na hora, vi que tinha me fudido. Mas só me dei conta depois.



– Vê só, tive uma idéia: cê leva a automática contigo e fica com ela essa noite. Se amanhã cê quisé, cê devolve. Beleza?



Aí merda. Diz não! É fácil; só dizer não.



Isso foi ontem. Devia ter dito. Mas como não disse, levei o troço pra casa. Não consegui devolver.



– CACETE, GABU! Tu é um merda! Filhodaputa! Comé que cê faz isso, porra?! Se liga!: tâmo de tôca, de berro na cintura, na esquina da situação e tu diz que não vai mais? Tá loco?

– Não dá. Não é medo, mas não consigo.

– Gabu! Cê não pode fazer isso comigo! Vâmo!

– Não vai...

– Porra, cara: agora não posso. Tenho que ir. Que merda! Porra, sozinho eu fico nervoso!

– Cara...

– Relaxa. Foda é que eu sou uma besta. Desde moleque que eu não consigo ficar puto contigo... Faz o seguinte: cê que sabe. Eu vô.



E foi. Eu aqui na esquina olhando, e ele foi. Vai chegando, o carro já tá parado e aberto. A rua deserta. Ele escolheu bem. Baixa a tôca. Ele vai chegando. O primeiro segurança saindo; pra dar cobertura ao outro, que é o que leva a grana. Vicente rende o cara. O outro sai do carro. Vicente aponta pra ele. O homem levanta as mãos. Porra!, da onde saiu aquele outro? Quem é esse viado? Nem é segurança, não tá armado.. Indo por detrás do Vicente. Merda! Se eu... [Baixo minha tôca.] O idiota que resolveu se meter dá uma gravata no Vicente. [Começo a andar. Pelo meio da rua. Engatilho a pistola; ela desliza macio na minha mão. O peso certo. Como eu sabia que seria.] Porra, Vicente. O cara desarma ele. Os seguranças atiram. Meu amigo cai no chão e eles ficam olhando o corpo jogado na calçada. [o contato com o aço][Como eu sabia que seria.] Estranho. Eu não tô suando. [A trava de segurança cede como se ansiosa, a máquina se abandona ao meu controle. Meus dedos estão firmes.] Tô aqui. Agora não tem mais jeito. [Acho que um sorriso involuntário me rouba os lábios] Gabu... Idiota.

Não tem volta. [Eu atiro]



Só espero não gostar disso.

[Como eu sabia que seria.]





posted by franciscoslade 2:24 AM