O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

1.11.03  

CHINÊS



"Eu não julgo as pessoas." Nunca vi asneira maior. Não sei se é falta de consciência, ingenuidade ou tolice, mas dizer isso é um absurdo só. Como não julga? Como, então, você escolhe amigos e elege desfetos? O que é "não ir com a cara" de alguém? Seria como acreditar-se livre de preconceitos – aliás, outra prática muito comum. Sorte que, nesse caso, a lógica dá uma mão na minha exposição: sobre o que conhecemos e temos contato formulamos conceitos; como não conhecemos a esmagadora maioria do que há no mundo, temos muito mais preconceitos do que conceitos e, assim como estes, são aqueles que nos fazem ser quem somos. Julgar é o que nos faz formar tanto os conceitos como preconceitos, e a forma como julgamos é a expressão máxima de nossa personalidade. Assim, conhecer os próprios critérios e estar ciente desses mecanismos, acredito, me faz mais senhor da minha pessoa.



Comigo, é pelos olhos. Digo, que eu julgo as pessoas. Pelo menos num contato inicial. Eu escolhi assim. Preciso dizer que, apesar de às vezes me surpreender – e fora dois ou três erros grosseiros –, tenho acertado. Acaba sendo um critério bastante funcional. [Ah, não abra a boca pra me chamar de escroto. Antes, descubra que mecanismo você usa pra filtrar o mundo.] Por mais batido que seja. O brilho, a agudeza. Ou a opacidade, o olhar raso, tudo logo ali. E como queda-de-braço; Tem uns que olhares que se opõem ao meu, um querendo desvendar o outro, dando volta. Já outros, não têm qualquer resitência... São só uns buracos. E não tem nada a ver com sustentar o olhar. Já encontrei olhares tímidos que quase me furaram as retinas nos poucos instantes em que conseguiram cruzar com o meu e olhares incisivos mais vazios de significado do que o de um cão.



Mas não é que outro dia, no espelho, cheguei à conclusão que meus olhos não brilham? Eles são muito pequenos, dois rasguinhos estreitos, e a luz não lhes incide pra que eles possam refleti-la. É uma terceira categoria: escudos. Uns poços de piche. Daí, estranho, fiquei me perguntando, e se eu me visse, de repente, na rua? Será que eu ia procurar mais alguma coisa nesses pedacinhos de carvão? Será que eu ia engrossar a lista dos meus enganos retumbantes? Ou, mais uma vez, ia acertar? "Não tem nada ali"?



Olhando de dentro eu não sei dizer. Nem assim.


posted by franciscoslade 1:45 PM