O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

6.11.03  

FICÇÃO ADOLESCENTE



Sete nomes. Eu tinha sete nomes. Era comum na minha época. Mas eu perdi. Cada um deles. Esqueci esqueci-onde. Talvez tenham fugido, afinal. Inventei um novo, alguns novos; uns depois dos outros, mas agora um de cada vez. Também perdi, esses aí. Aí resolvi: um número. Um – escolhi esse, a troco de nada; pra não esquecer. Se eu tiver dúvida, é só começar a contar que eu lembro. Por isso o primeiro. Podia ter escolhido sete, mas não; um dia vou esquecer isso aí também. Mas isso, esse nômero, serve só pra mim: nunca ninguém me perguntou. Só na minha época. Hoje, um nome é menos importante que àquela altura; as pessoas tem poucos nomes, mas existem muitas pessoas. E eu não sei o nome de nenhuma. Nunca perguntei. Nem na minha época.

Esquece isso! Tudo que conta agora é o branco da sua pele. Tentei pensar em outro paralelo, mas tudo que consegui foi marfim. Mesmo após todo esse tempo, tantas palavras – palavras que nem existem mais, outras que recém-nasceram –, é marfim o que mais me parece adequado. O tom exato. Ainda se acentua com a transaparência da pele: a trama verdeluzente raiando o branco como as fissuras enegrecidas ao marfim. Tão fina… Parece capaz de ceder ao toque. Mas, que idiota eu sou, que pele não cede ao meu toque? Vi crescerem e morrerem, seu pai, o pai de seu pai, ainda o pai desse aí e muitos outros pais antes deles. Morreram todos; de velhice e acidente, de inocência e cansaço, por assassinato e por culpa. Por vontade ou desistência. Vi essa terra nascendo e provavelmente vou vê-la morrendo. Mas nunca, mesmo olhado pras pessoas desse modo desde que há pessoas, vi uma pele assim. Vamos, não me olha assim. Não é tão absurdo o que eu digo. Eu sei que você entende. E, se te digo isso, é por que é verdade: um branco tão delicado que, quanto mais me sinto atraído por ele, mais me sinto culpado em destrui-lo. Queria poder consumi-lo sem extingui-lo. Porque, aí, ele só vai existir na minha memória – o que é uma perda pro Homem como espécie. Contudo, pelo menos não há a possibilidade de eu esquecê-lo, o branco da sua pele, como esqueci o meu nome; quando se vive, ou melhor, quando se existe por tanto tempo, os nomes se mostram coisas sem significado. Tanto vivi que nenhum deles me comportaria; às minhas memórias. Sim, porque, eu não disse, mas minha memória não é ruim! Não: ela só não pode reter tudo que essas cansadas retinas, às quais nem um último fulgor de inocência ilumina, já lhe imprimiram. Assim, foram-se os séculos, ficou pra trás o que não tinha mais uso. Mas uma pele como essa, isso eu não posso esquecer. Nem que eu quisesse – e não há jeito de eu querer. Se meus nomes me dessem forma e me definissem como essa pele te define, eles estariam todos aqui, comigo. Bem, eu já falei mais do que devia. Mais do que em todo o século passado, se bem me lembro. Agora, tenho ainda mais fome. Essa eterna, maldita fome de sangue roubado... Mas saiba: você é certamente a mulher mais linda que eu já vi – e isso, no meu caso, é muita coisa.

Dentre tantos pescoços mordidos, é o seu o que nunca vou esquecer. E isso, no meu caso, é muita coisa.



posted by franciscoslade 1:25 AM