O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

20.11.03  

GNOSSIENNE



Acho que chamam o período musical ao qual o Satie pertenceu de pós-romantismo. Ainda me parece bastante romântico. Sim, na forma há muito que se observar, há diferenças; mas o olhar, esse me parece o mesmo. Talvez por proposições pós-românticas, Gnossiene é uma música simples. Em seis partes. Melodias simples, harmonias nem tanto. Mas, antes disso, ela me parece simples no que diz. Aliás, mesmo musicalmente, não é das obras de maior importância na história da música. Existem proposições mais ousadas, outros foram mais longe, independentemente do período. É uma obra de narrativa clara e bastante pictórica. Conscientemente e estilisticamente: simples. Engraçado, inclusive, que – talvez pela grande associabilidade da melodia – Satie é, num determinado microcosmo, uma espécie de fenômeno pop. Que o diga Gymnopedie.



Concluí então, aos meus 19 anos, que devo ser uma pessoa simples – por vezes acredito, mesmo simplória. Isso antes de saber que a música se chamava Gnossienne, antes de saber ao certo quem era Satie, porque, me lembro, quando a escutei pela primeira vez – culpa do Malle, filhodaputa –, cheguei a ficar sem graça. Era eu! Cheguei a ficar constrangido, pesquisar, nas cadeiras da sala de projeção escura, se me olhavam. A mim ou ao holofote, aceso de pino sobre a minha cabeça. Outro dia, me perguntava como diabos o Satie podia me conhecer tanto se nem minha mãe existia quando ele compos a tal música. Cacete.



Pra mim, uma das características mais importantes na expressão artística é a violência. E é impressionante o que há de violência em Gnossienne. É lindo. Tenho pesquisado na net; baixei umas 5 ou 6 versões. Em uma delas, cujo intérprete desconheço – não há indicação –, ouvi um dos melhores trabalhos de dinâmica ao piano que já observei. Similar aos do Kissin. Impressionante como o cara soube ressaltar essa violência, que tá na música toda, nas suas constatações, nas suas ilustrações. Na sua tristeza. No arrebatamento da sua beleza solitária.



Chega a doer qualquer coisa em mim.



posted by franciscoslade 1:31 PM