O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

22.12.03  

SEGREDO



Acho que era o 157. Sempre gostei. Digo, de andar de ônibus. A bem da verdade, de 157, especificamente, também. A Lagoa é uma das poucas coisas na vida pra que sempre olho como da primeira vez. Cacete, é incrível; quase acredito que sou uma pessoa melhor. Olhando aquilo. Podendo ver. Então o ônibus ia seguindo e eu também, evoluindo pra mim mesmo esse tipo pensamento inútil, vendo o mundo correr pela janela. Achei engraçado pensar que existem pessoas que são tão bonitas quanto aquela situação – por dentro, quero dizer, não importa o quão idiota possa ser dizer assim, desse jeito. Pois é. Tem gente que é melhor mesmo. Eu que, por algum motivo, consigo enxergar isso, às vezes me pego triste por não ser assim. Se eu não pudesse diferenciar, menos mal – muitos não podem e, creio, a vida deve ser melhor assim; poder errar, ser o mais vil, o mais baixo possível e não se sentir feio por isso. Só igual. Não, não tô falando de culpa. Não é isso. Só me espanta o quanto a beleza pode ser agressiva, como ela pode te fazer sentir pequeno e torto. E vazio. Morto. Feio. Corrompido e podre. Chega! Enfim, eu ia assim quando, de repente, um troço muito estranho. Um instante. O que teria sido? Me pareceu algo que eu já tivesse sentido antes, mas o quê? Foi muito rápido, chegou e partiu e não deu pra ver direito o que era. Até doeu um tanto, mas não deu pra ver. A garganta apertou um pouco: o quê? Não podia ser. Começou a me alimentar uma convicção bizarríssima. Não, não podia ser. Mas, cada vez mais, tinha certeza. Diabos. Não conseguia acreditar.

Foi meu coração que bateu.


posted by franciscoslade 3:18 PM