O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

10.12.03  

SOBRE MENINOS



Fui assistir o filme novo do Clint Eastwood. Foda. Saí com um nó na garganta. Acho que, no final, através de uma ilustração tendo por base o romance policial de David Lehane - sim, porque o filme vai além de só contar o livro; cria analogias, critica: ilustra -, o que fica é um sentimento de impotência diante do absurdo de tudo e a compreensão cristalina das observações nada maniqueístas sobre os EUA.

Mas, de maneira semelhante à com que sempre falamos a mesma coisa de formas de diferentes, acho que o nos chama atenção em cada obra de arte é o que nela enxergamos de nós mesmos; assim, ainda com toda essa discussão sobre a arbitrariedade e a força norte-americanas, o que me marcou foi o desterro da personagem Dave. A inadequação. Uma crônica de uma morte anunciada, sabe?

Não pude deixar de pensar em outros trabalhos de Clint - Os imperdoáveis, Um mundo perfeito - e em como certas personagens carecem de um lugar no mundo. Eu sei que a temática tá é na minha visão e que é assim que ela se sobrepõe a todo o mais que esses filmes nos dão, contudo, o fato é: não há lugar pra essas pessoas na ordem das coisas. Cedo ou tarde, isso acaba aparecendo. E aí, cabe, ao mundo ou a elas mesmas, tomar uma providência.

Eu entendo.

No fim das contas, é mesmo tudo como em Trinta anos essa noite.



"Não foi dessa vez, amigo. Quem sabe da próxima?"


posted by franciscoslade 2:39 PM