O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

7.1.04  

CARNE







Bem de perto no espelho. No rosto, uma brotoeja. Unha: e sangra. Cresce, uma flor, uma bolha escarlate: rebenta e escorre. :Ontem, ela, imediatamente. Boca. Carne por natureza. Por conceito. Função e merecimento. Boca. Por natureza, lúbrica, a minha; lasciva, aquela, dela. Como aquela, aquela-única. Vejo, penso: feita pra minha, lúbricaboca, por função. E merecimento: tão ávida pois: minha-única, só. Sua provocação pra minha lubricidade, sua carne pra minha. Função e merecimento. Hoje, sangue rosto; o cantolho alcança – acidente? – meu ombro, no espelho. Viro. É seco, mas sangue: unha. Sua. Suas, todas: as costas riscadas em carne. Acidente? Mérito. De ontem: outro banheiro. Fora, muito barulho. Ela entra. ,Eu. – Sai. – Não. E não saio. Minha, vim buscar. Sem palavras. A palavra não serve à carne. Nem a carne à. A carne não tem palavra. Sangue e vontade, sim. Força. A carne não fala: bate, cola, choca-se contra a carne alheia, umacoisasó. E sua. Eu transpiro o suor dela, o meu, o mesmo. E sempre aquela boca: a expressão da carne, a forma bruta, síntese. A sublimação. Beijo não: meu tempo se consumindo, vida que vai, combustada, ali. Tempo por calor, bom negócio. Aí eu dentro dela. O cheiro dela; nela, em mim, no banheiro todo. Carne não fala: embate. Desafia o outro corpo, a si mesma, mas tudoumacoisasó. Bate na parede, eu bato; o suor que das suas costas sua os azulejos, escorre também no barulho do corpo contra a cerâmica. Carne é um troço que esquenta, secreta, umedece, cheira e quer: função. E prêmio. Ela goza e morde fundo ombro, arranha, faz ceder a pele. Guarda nas unhas um pouco de mim. Estremece e me aperta. Então, nem peço, se desprende de mim; pro chão. Eu:. Porra. Nela. Boca. A obra máxima da carne: delaboca. Resposta. Bôca. BÔca, assim.

BÔ-ca – quando termino de falar, um lábio não encontra o outro, palavra que não acaba, idéia que não fecha.



posted by franciscoslade 1:24 AM