O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

4.2.04  

TRECHO DO LIVRO, PRA TODO MUNDO DESISTIR DE COMPRAR



– E agora? – Ela pergunta, ainda de olhar no assoalho.

Meus olhos estão úmidos. Debruço-me até a mesinha de cabeceira e abro sua única gaveta; a arma. Fico com a mão lá uns intantes; o contato com o aço frio me acalma um pouco. Uma lágrima furtiva deixa uma marquinha mais escura no lençol, bem perto de mim. [meus cabelos escuros reluzirem] [A segunda-feira não chega mais.] Me ponho sentado novamente, trazendo com meu movimento a pistola, que coloco sobre a cama, entre nós dois. Anita então me olha, horrorizada.

– Agora… agora, eu não sei – respondo finalmente.



Ela chora baixinho. Eu estou cansado. Suas mãos repousam espalmadas sobre seu colo; pego uma delas e coloco sobre a arma. Ela assusta-se e ensaia puxar a mão, mas eu a mantenho sobre o punho da automática; faço ela segurar o troço. Sua respiração acelera, fica rasa. Anita treme e hesita. Seguro a arma em suas mãos e levo o cano até meu rosto, o descanso em minha testa. Agora a menina tem a pistola apontada pra minha cabeça, pronta pra fazer-me um rombo entre os olhos e resolver tudo de uma vez. Ela esta nervosa.



E eu estou cansado.



posted by franciscoslade 12:31 AM