O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

10.4.04  

HÁ FLORES POR TODOS OS LADOS ou A PROMISCUIDADE É UM TROÇO SINCERO



Disse o Garcia Marques que A promiscuidade é a pior forma de solidão. Ou algo como isso, não sei exatamente; de todo jeito, tanto já repeti isso aí que agora é assim mesmo. Tenho 27 anos, sou solteiro e moro num balneário turístico terceiromundista acometido de gigantismo, imerso num calor pastoso e obsceno e em meio a pessoas cuja vontade esse conjunto desidrata. Tenho que saber de quê o moço fala. E eu sei. Já me perguntei muitas vezes por que a "pior forma"; encontrei diferentes respostas, todas em maior ou menor grau inapropriadas e, ainda assim, exatas. Algumas eu esqueci, outras mudaram; a maioria persiste. E, ainda assim, se você me perguntasse agora eu não saberia enumerá-las. Mas eu sei – não sei é dizer, entretanto tá por aqui, na casa vazia, em algum lugar. (Desculpem se eu não me der ao trabalho ir de procurar.)



De qualquer forma, de canto de olho, eu enxergo o troço passando e é sempre mais um pedaço da resposta que insiste em me pular no caminho. Umas das primeiras coisas que me ocorreram, muito tempo atrás, é que, logo de cara, a promiscuidade é menos recompensante que a solidão do recluso ou do paciente porque ela envolve busca. Por conseguinte, frustração, como em qualquer método de tentative-e-erro. Depois, existem trocentas outras respostas, tão óbvias quanto essa, que ilustram mais ou menos canhestramente um outro ponto: por mais que se ganhe, a única pessoa que sabe o quanto – e o quê – se perdeu é você mesmo; é você que sabe quantas bocas, quantos corpos, o que foi bom e o que não e a energia dispendida pra objetivar cada coisa. A impressão que me dá é que sempre se perde um pouco, que eu sempre deixo algo além de porra pelas camas dos moteizinhos baratos. E, fora bom sexo, é pouco o que se ganha – mesmo que talvez seja imprescindível. É muito solitário sempre encontrar um rosto novo ao abrir os olhos, sempre um cheiro novo, um novo nome que se corre o risco de esquecer. Como hábito, é vazio. Talvez não pra todo mundo, não pra quem simplesmente não espera nada. Ou já não espera.



O mais recente aspecto disso que me surgiu foi particularmente doloroso. Passa por um sentimento sério de não-existência. De intangibilidade, apesar de tudo. Digamos que eu saia de casa com meu sorriso de Carinha-legal ;posso encontrar meninas e, se der sorte, alguma delas vai estar querendo mesmo um Carinha-legal. Se der sorte mesmo, ela ainda vai me achar um Carinha-legal-e-bonitinho. Cabe a mim outra avaliação de igual profundidade sobre ela. No decorrer dos primeiros contatos – ou da noite – o interesse pode se aprofundar e ambos podemos acrescentar ao nosso juízo mútuo o grau de interessante. Sorte. Sexo. Suponhamos assim, uma situação ideal, reproduzida em laboratório. Suponhamos também que a noite termine muito bem. Que legal, uma boa foda!



Mas depois de algum tempo, faz falta encontrar nos olhos das Menina-legais-bonitinhas-e-interessantes algo que me diga que eu sou mais que um simples Carinha-legal. Algo que eu tenho saudade de que encontrem em mim. E, sem isso, é bastante complicado achar nelas certas coisas. No fundo isso é uma expectativa bastante idiota, eu sei. Mas é chato saber que, sim, é claro, eu posso ligar depois e provavelmente marcar de novo com ela e que ela vai até achar legal, mas que no fundo, não faz diferença. Simplesmente não faz.

Multiplique isso por N e tá tudo aí, a promiscuidade.



Meio triste, né? Ou não. Sei lá. Pelo menos ninguém precisa se enganar. Talvez o ideal seja não esperar nada. Talvez isso nem seja uma escolha. Autodestruição. Sincera.



Alguém me escreveu, uma vez: "Você revira na cama e me abraça forte pensando em outra. Em todas. Em uma mulher sem rosto que é todas e nenhuma."

Queria poder responder alguma coisa.





[Aos que aparecerem, desculpa a amolação. Esse texto não tem nenhuma pretensão de ser profundo ou elaborado. Só precisei escrever. É provável que seja ficcção.]


posted by franciscoslade 9:28 PM