O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

29.6.04  

Certos momentos da vida deviam passar em câmera lenta.



Chove muito, eu mal enxergo a luz dos postes. Por mais que arda, por mais que doa, que a respiração me corte e eu arfe descontroladamente, não posso parar de correr. Nem consigo. Nem quero.

Meus joelhos estão inchados.

Ja escarrei sangue três vezes.

Uma hora essa porra estoura.

Acho que é só isso que eu quero agora.

O que eu tinha pra deixar, ficou com ela – mas eu nem sei se existia mesmo algo pra ficar. O que era plano especulação esperança alegria insegurança dor dúvida espelho depois tristeza pretensão caiu pelo caminho. O que bom e ruim. Ela chegou a ver. De toda forma, nada disso importa mais. Eu só tive que correr, assim como o mundo teve que chover. E como o coração vai ter que estourar. Eu já tropecei; ja larguei dente no asfalto, rasguei as palmas das mãos (elas agora suam vermelho).

Só não tenho lugar pra ir, onde chegar, ninguém me esperando. Tudo passa. A chuva cai com tanta violência!, muito barulho, no asfalto, na minha cabeça, tlac-tlac-tlac-tlac, pipocando e ressoando, e eu não ouço o que eles dizem, eles que passam de vez em quando. Quando chove muito, as pessoas não saem de casa. Eu prefiro mesmo estar sozinho nessa hora.

Mas é absolutamente imprescindível! Absolutamente, que o coração arrebente antes que amanheça, e principalmente antes que pare de chover. Sem vírgula. Em mim, tem que chover pra sempre.

Quero vomitar tripa, quero deixar pele ralar no asfato como tinta; quero meus cabelos empapados de chuva e suor me colando na cara, na frente dos olhos; quero estar surdo pra tudo que não for batida e pingo.

E, no momento, eu quero com câmera lenta. Uma luz bonita, essa de agora, e câmera lenta.

Como se eu tivesse um lugar pra ir e tivesse quase chegado lá – mas não deu!



E um único som mais alto que o da água castigando meu corpo e a cidade;



estouro!


posted by franciscoslade 2:16 AM