O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

13.7.04  

...





As pessoas gostam de escrever bonito. Difícil. Coisas complicadas. Eu gosto.

Difícil não. Mas bonito, sempre.

É assim que eu sou, que sempre fui e que, um dia, por isso mesmo, não vou poder mais ser.

Aliás, nada.

Mas hoje, não. Mais uma vez, só dizer.

Queria até que fosse menos texto. Não é - e esse é outro problema.



Quero dizer que tô triste. De novo e, de certa forma, mais do que nunca.

No entanto, tô feliz também.

Eu sei um monte de coisas.

Coisas que não servem pra nada, que só são ligadas a um instantâneo mal-tirado e que já desbota no meio de algum livro que ficou

pela metade.

Coisas que, no fundo, eu sempre soube.

Elas só ecoaram numa nova parede, só ressoaram numa nova onda, outra dessas que se repetem nesse intervalo indeterminado e ainda tão preciso de um ciclo.

Nunca mais, nunca menos.



O pouco de novo que me chegou foi só um triste alívio:

não foi minha escolha. Não foi.

Tudo bem. Já aconteceu. Se não fosse assim, talvez também já tivesse sido de outra forma.

Mas não foi.



Tem um palavrão que eu queria tirar de detro de mim também.

Não é raiva, não é ressentimento.

Não, o tom não deve ser agressivo.

Mas

Foda-se. Retórica?

Eu?

Agora eu sei que não.

Não mesmo, nem fudendo.





Perco. Eu sei também.

Perco muito e, do mesmo, nem vou procurar mais

– seria absurdo.

E acabava doendo.

Contudo



Perco também esse peso que tentavam me deixar nas costas.

Isso é bom.

Não, a Raposa mentia, eu não sou responsável.

Cuida você do que é seu,

carrega você suas opções. Mas com coragem, com certeza.

Muito bem.

Depois, se merecer, você pode bater palmas.

Também não serão as minhas,

mas valerão muito mais, você vai ver.



E quanto mais

certa

a vida [es]corre

Mais eu sei que



infelizmente,

tudo acaba bem.



Um homem não pode lutar contra um cidade inteira,

um vida,

e o que é certo.

Principalmente se ele não quer mais lutar.



De todo jeito,

infelizmente,

tudo acaba bem.



posted by franciscoslade 3:06 AM