O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

4.8.04  

w
TODA LÂMINA É UMA CONTRADIÇÃO (texto em tempo real)



Vamos, vamos, é preciso mentir um pouco; não o suficiente pro brilho dos olhos sumir, você sabe, não a pérola – com o perdão devido ao termo –, mas a concha; senão quem teria o interesse em macular, provavelmente se macular, cortar a carne macia dos dedos e das expectativas com as suas frases?, ora, ninguém; eu sei que você sabe; depois o seu problema, a compreensão: essa é outra especulação que deve ser evitada, mais, abortada, pois a expectativa, apesar dos dois gumes claros, sempre pode te ferir mais que ao outro; breve, até os seus próprios expedientes começarão a ferir você, e, que saída?, vai ser preciso mentir pra si mesmo também, é, e pode ser difícil, o que é foda, mas pode ser pior, fácil; por outro lado, você sabe que é escolha sua, se expor desse forma, submeter a mucosa sanguestriada da palavra ao fio do dia; eu sei, eu sei, apesar de retalhado – quase não sinto mais as horas – eu ainda me lembro; no entanto, tente não encarar como uma mentira: não, algo como um guia, uma forma de conduzir a si mesmo; chame assim, ou de outra maneira, é você quem sabe a cara do seu alívio; mas pra fazer isso aqui, é preciso mentir.



Na vida também, mas a vida é mais fácil que isso, ainda que.

Chega um momento
em que é claro que
expectativas não são
mentiras
é que são
expectativas
podem esmagar um homem em plena calçada de domingo no Catete,

E dóóói. Deve.
Contudo, ainda mais
na iminência,
no corte rubro do último segundo,
no último fôlego,
antes do frouxo abrochar dos
músculos
estouram vazam suspiram em surda violência
,vapor carmesim,
e as longas línguas de suas entranhas
alcançam o chão,
e fatigadas,
tomam
a rua
.



posted by franciscoslade 2:58 AM