O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

17.11.04  

MINUTOS



Mais que tudo, eu queria ter ido. Mais ainda, eu devia. A idade da covardia se avizinha sem que eu saiba exatamente o que. Jogaria tudo pro alto, a comunicação, a "carreira de escritor" (com risos, por favor), família, trabalho, raizes, contatos, amigos, mulheres, idioma. Por que não consegui? O que me prendeu? Sinceramente, olhando pras peças que tenho nas mãos, não atino. Nem sei por que escrever isso. Tenho constantemente a impressão de que tudo se desmancha. Tudo, isso aqui – já devem ser menos de 3,62 –, uma casa minha, qualquer projeto, qualquer desejo, norte, minha vontade, meu corpo – de longe se vê, nem queira saber como se sente isso na carne (e aqui a expressão se faz apropriada como jamais) –, minha visão, eu. Muito cedo, tudo muito cedo. E isso é algo novo, embora decorrência, pr'alguém sempre tão atrasado quanto eu. En retard. Na verdade, retardado. Perco a pouca paixão que ainda. E é curioso, porque o que segura mesmo esse tipo de gente é paixão. Amor não. Muito: tudo acaba ficando plano. Mal compreendido. Principalmente pra mim. Nem sei por que falo isso. É o pior uso que eu poderia fazer dessas palavras – com as mesmas havia de construir qualquer coisa de melhor, mais. Mas, paixão, eu já disse.

Será covardia? Medo é claro – quem não? –, no entanto, até feria bem lidar com ele de outra forma.

Socorro. Não ouço.

Assim, vai tudo virando

despedida.


posted by franciscoslade 1:26 AM