O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

23.6.05  

DOENÇA

Fome. Ou talvez outro troço, mas dá no mesmo. Uma tristeza amarga não me deixa pensar em comida. Em nada. Não sei se faz frio, mas, mesmo coberto, eu não consegui dormir. Não foi gentil da parte dela me dizer o quão triste era meu gozo. Mas é a pura verdade – e quantas vezes, oportunidade a oportunidade, eu não me certifiquei disso? –, eu esperava ouvir mais cedo ou mais tarde.

Ainda assim, não dormi. E é tanto o frio, tanta a fome, que já não sei mais dividir. Venta? :A corrente de ar que atravessa o quarto cruza também o velho buraco que me perfura estômago e costas antes de ir uivar na sala. E se espalha em mim, irradiando esse toque gelado e abjeto até a ponta dos meus dedos. Do meu hálito.

Ela diz que o frio vem de mim.
Ainda assim dorme,
aninhada em meus braços.
Que paz é essa? Como ela consegue?

Ouço a chuva começando lá fora e tudo em mim é uma saudade vaga.

Sem descanso.


posted by franciscoslade 3:19 PM