O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

22.11.05  

EU, UM IDIOTA.

Realmente, eu sou um idiota. O maior. Um estúpido. Pior: um romântico.


Ela marcou comigo em frente ao bar. Tava a uns trezentos metros, pouco mais, numa outra biboca mais pra lá. Me disse que tava vindo. Quando deu tempo de ela ter ido e vindo cinco vezes, comecei a me preocupar. Ela é frágil, ela tá doente, em jejum. Ela precisa de mim. Essa área da cidade não é das melhores. Talvez tenha acontecido alguma coisa. Droga! Devia ter combinado de buscar a menina lá. Então saio correndo – correndo mesmo, no meio das pessoas vestidas pra mais uma noite desperdiçada, feito o maior dos idiotas. Refaço o provável caminho dela enquanto tento, procurando me desdobrar em dois, cobrir o outro caminho possível com os olhos aflitos. Penso com sinceridade: não quero que nada de ruim aconteça com ela. Amanhã tudo vai começar a andar; amanhã começa algo diferente. E quanto mais pensava nisso, mais me exasperava. E mais esperava que tudo estivesse bem. E mais corria. Amanhã.

Quando cheguei à frente do outro bar, tava ela lá, calma e sorridente. Mais uma vez me deixou esperando. Mas a bronca que dei nela foi mais de alívio. E de ternura – ainda que eu tentasse alguma rispidez. Preocupado por nada; só mais um furo, mais uma falta de consideração dela. Contudo – segredo! – eu tava feliz. Nada tinha acontecido.

E eu entrei no bar com ela, de mãos dadas.

FIM

Parece cena de filme ruim, alguma comédia romântica açucarada, né? Bem mais fuleiro: foi verdade. E não acabaria bem, essa cena sofrível.

Era tudo mentira. Tudo.
Tudo.

Por quê? Será ódio? Será só maldade? Ou é pequenez mesmo?

Intimidade, cumplicidade, confiança.
Promessas, gozo, elogios,
confissões, pensamentos.
Amor.

Mentira.

Nem mesmo querer ter.

Tudo mentira.
Sem amanhã.

E agora eu sou um idiota desiludido, cansado e
sujo.

De um tipo de sujeira.
que não sei se posso limpar.

Que coisa feia. Que coisa feia!

Um idiota. E ela sequer merece.


posted by franciscoslade 3:00 AM