O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

20.8.06  

Ela dirige noite adentro. Minhas mãos estão frias.
Precisamos encontrar um canto pra parar. Quem sabe, comer.
Por que tanto silêncio aqui dentro?
Não temos lugar nenhum pra ir.
Já não entendo mais. Prefiro me calar. Só posso me calar.

Tem vezes em que nada no mundo é mais difícil que esperar.

Ela dorme. Toda noite, no meu quarto, quando fecha os olhos, imagina que chegamos lá.
Que diminuímos, que pegamos a última à direita e
que podemos parar.
Ela vira pro lado e tem o sono tranqüilo. Vê a viagem acabar.
Eu preciso chorar bem baixo pra ela não acordar.

Eu vejo uma placa passar
mas não digo nada.

Me pergunto quantas ela terá visto.

Há uns dias, no começo de tudo,
ela riu quando eu disse que duas pessoas num carro
podem ter destinos diferentes,
um indo e o outro voltando,
que um pode chegar e o outro nunca,
que um segue
enquanto o outro parou já tem 30 quilômetros.
E que um pode não ver enquanto o outro passa
– e chama! –
no carro ao lado.

– Olha. Ali, um posto. Preciso ir ao banheiro.

Com um pouco de gasolina, o carro pode seguir pra sempre.
É sempre noite. A realidade sempre recortada nos faróis baixos
– e a estrada, o mundo todo cabe ali.
É tudo de que precisamos mas nunca é o suficiente.
Talvez por isso continuemos sempre em frente.

Hoje, sei menos que nunca a diferença entre chegar e parar.
Então continuar é o menos complicado.
E o que se perde no caminho (se eu não estiver mais aqui
ou se você foi pra outro lugar)
eu prometo não dizer.

Já não estamos mais aqui,
mas continuamos indo,
os dois, no mesmo carro.

– Você enche o tanque enquanto eu vou ao banheiro? Não quero demorar aqui.


posted by franciscoslade 7:25 PM