O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

9.11.06  

DA BOCA PRA FORA.

Me excedo. Exagero. Tenho raiva demais, amor demais, tudo em medida errada. Tudo dois degraus pra cima, esse sou eu. Paixão, pra vocês não terem que cometer a estupidez de me ouvir, "é um acontecimento subpessoal que pode durar o tempo de uma vida", disse um cra inteligente. Um elogio à intensidade. Um ponto de vista. É só assim, até hoje, que soube fazer as coisas, viver meus amores, meus ódios, meus desejos, minhas alegrias, minha tristeza, minha "angústia contínua", meu prazer "de menino". Meu erros. Essa merda de texto – toda a merda que eu escrevo. Os dias em que não consigo levantar da cama e nem fazer nada, aqueles em que eu preciso ficar sozinho, ou me destruir, ou trabalhar muito, rápido. A bebida, que eu não bebo pra esquecer, mas pra lembrar, ficar triste e consciente. Minha febre.
Se eu parar, que morra. Que morra ainda assim – e não em vida como querem me convencer de que é melhor. Mas não esperem outra coisa de mim. Quem quiser reações sensatas e razoáveis, que vá pra um congresso de corretores de seguro.
Nada justifica covardia.


posted by franciscoslade 6:57 PM