O cara que escreve aqui se chama Francisco Slade. Um cara aí. Se quiser falar com ele, é só clicar no nome. E, sim, Slade é nome mesmo.









Livros publicados

Esse é meu primeiro romance, Domingo.




Também tô na antologia Paralelos:

0




Para ler também

A menina no deserto
Recheio de quê?
Malandro é o gato
Prosa Caotica
Wry
Pariscope Blues
Encefalopsia
Suum cuique
moca
Verborrágica
bináriogeral
ainda ela
Natureza complicada
mundoestranho
Paralelos


Arquivos




This page is powered by Blogger.

















Seu dinheiro de volta!

8.12.06  

MEU FILHO.

Pensa.

Quando eu era pequeno gostava de dinossauros, zoológico e guerras, como todo menino.

(Não temos motivo pra quebrar frases - nem pra mudar.)

Tinha mania de, mania na falta de palavra melhor, de imaginar o que era encontrar um bicho desses. Um dinossauro, um urso, ali, na minha frente. E dizia pras outras crianças, cara, cê tava ferrado, imagina!

É uma coisa que criança não imagina, que sempre se aprende qualquer coisa das formas mais tortas. E é pena que eu não possa fazer ninguém ouvir isso, porque eu digo da forma mas irônica que me é possível.

Cara - urso, dinossauro, tanque. A menor diferença.

Já meu pai costumava dizer não deixa o coração sempre por aí, menino, que cada abraço mais sério, sorriso de esguelha, cada comida pode dar motivo que chegue. E pode nunca chegar de acontecer. Ou a. Guardar também não é melhor, mas é mais fácil.

Cê tava ferrado.

Na primeira vez em que eu te vi era de tarde e tava chovendo. Céu branco, eu bem novo.
E você nem existe.


posted by franciscoslade 2:30 AM